Por Stephanie Eckardt (15 de abril de 2019)

Tecnicamente, Hero Fiennes-Tiffin fez apenas cerca de um mês divulgação em sua vida, mas foi o bastante – compreensível, já que agora ele é basicamente o Harry Styles encarnado da fan fiction. O fato de que Hardin Scott, o personagem no centro do romance em After, de Anna Todd, era vagamente baseado em Styles, nunca pareceu importar muito para seus fãs; A história, que Todd começou a escrever em seu telefone, foi lida mais de 1,5 bilhão de vezes desde que foi publicada no Wattpad em 2013. Naturalmente, o número só se multiplicou desde o anúncio da adaptação cinematográfica, que chegou aos cinemas na sexta-feira.

Quando Todd primeiro avisou Tiffin do caos que viria com Hardin, o ator de 21 anos não acreditou. (Afinal de contas, ele é um ex-aluno dos filmes de Harry Potter.) Por mais que o fandom da história superasse suas expectativas – eles parecem gostar de cumprimentá-lo nos portões do aeroporto – não são os fãs com quem Tiffin está tendo dificuldades, mas as questões de nível superficial que o atormentaram desde que ele veio aos olhos do público. (Como você deve ter notado, ele parece estar em todos os lugares ultimamente.)

Então, aqui estão as respostas para as perguntas que Tiffin está francamente cansado de responder: Sim, seus tios são os aclamados atores Joseph Fiennes e Ralph Fiennes. (Ele interpretou a versão de 11 anos de Lord Voldemort de Ralph no sexto filme de Harry Potter.) Sim, eles provavelmente o inspiraram a ser um ator, mas sua verdadeira motivação para fazer seu primeiro teste foi faltar a escola . E sim, seu nome é realmente Hero, que se tornou um quebra-gelo útil. (Surpreendentemente, ele não sofreu bullying ao crescer – apenas ouvindo interpretações de uma certa canção de David Bowie.) Quanto ao que considera as coisas mais importantes, leia sobre Tiffin ao interpretar o personagem baseado em Harry Styles e o controverso relacionamento de After, aqui.

O que mais se destacou para você ao fazer seu primeiro grande filme, especialmente agora que você acabou de sair de um mês de divulgação?

Acredito que a quantidade de divulgação têm sido o maior choque. Topo tudo, mas é bastante. E sinto que os fãs, especialmente com After, são loucos. Estão em todos os lugares, e são tão entusiasmados e apoiadores. Anna [Todd] tentou nos avisar, mas eu realmente não acreditei na proporção do que ela explicou, o quão louco seria, especialmente agora que o filme será lançado. Eu estava como, “Certo, claro, claro, não pode ser tão ruim assim,” mas na realidade excedeu minhas expectativas.

Achei que você já estivesse acostumado com fandom, já que seu primeiro trabalho foi Harry Potter.

Eu era muito jovem e foi um papel pequeno, mas o divulguei — fiz uma convenção em certo momento, o que foi legal, e novamente, os fãs são muito entusiasmados, apoiadores e respeitosos. Mas não teve nenhum impacto em minha vida enquanto crescia, a não ser o fato de que fiz o filme. Nunca fui reconhecido nas ruas por Harry Potter — era muito novo, estava passando pela puberdade e mudando meu cabelo e como eu me parecia. E sinto que não haviam tantos Potterheads na região que fui criado.

Parece que os dias de não ser reconhecido na rua acabaram.

Para ser honesto, é impressionante e demora para se acostumar, mas acho que tem sido mais louco do que será quando terminarmos e não estou postando meu paradeiro para que as pessoas não saibam onde estarei. Com a turnê de imprensa, as pessoas realmente conhecem nosso cronograma; se dissermos que faremos uma sessão de autógrafos do livro neste lugar e neste dia, eles apenas verificam os voos de onde fomos fotografados pela última vez, e há apenas um ou dois voos, então eles vão para o aeroporto e esperam e arriscam. Foi mais intenso no Brasil – cinco vezes mais do que qualquer outro lugar.

 

Como você acabou se envolvendo com o After?
Foi uma das várias audições que eu fiz, e continuei recebendo feedback. Então eu fiz uma ligação pelo Skype e voei para L.A. para um teste de química, e começou a parecer um pouco mais real. Voltei para casa por cerca de um mês e meu agente da L.A. estava em Londres, me convidou para tomar uma xícara de café e disse: “Infelizmente, você não conseguiu o papel”. E eu estava tipo, “o que? Eu meio que acho que sim…” E cinco segundos depois, ele ficou tipo “Não, estou brincando, você conseguiu”. Então voltei para Atlanta e começamos a filmar naquele verão.

O que foi sobre o papel que inicialmente atraiu você?

A complexidade e mistério do personagem, que é especialmente atraente para um ator para um primeiro papel principal. Há tantas camadas que você revela lentamente para o público. É obviamente um trabalho árduo e longas horas e opiniões conflitantes, mas todo o processo de filmagem foi divertido. Nós tivemos muita sorte com elenco e equipe, estou em contato com muitos deles ainda hoje.

Você conheceu Harry Styles, ou você ouve One Direction?

Nunca o conheci, e não ouço One Direction.

Isso o influenciou ao interpretar Hardin?

De modo nenhum. Eu compreendo e aprecio completamente o fato de que a inspiração foi tirada dele no livro, mas se desenvolveu muito a partir de então. Enquanto não sei muito sobre Harry Styles ou One Direction, eu sei que eles não são parecidos com o livro ou o filme. Eu acho que a única semelhança é que nós dois somos altos, magros e brancos com cabelos escuros [Risos]. Obviamente, algumas das inspirações vieram de Anna [Todd], mas já era um personagem tão desenvolvido que não tinha nada a ver com isso quando peguei o roteiro, então não senti a necessidade de pegar mais inspiração de qualquer coisa como Harry Styles ou One Direction.

Tem havido uma quantidade crescente de críticas de que o livro – e, por extensão, o filme – romantiza relacionamentos tóxicos e abusivos. Você sabia disso quando se candidatou para o papel?

Eu descobri isso depois que o filme começou a ser mencionado. E, depois de longas conversas com Anna, não concordo com essa afirmação. Fico mais feliz em falar sobre as opiniões das pessoas sobre o filme, porque é com isso que eu posso falar.

Parece que houve esforços para tornar o relacionamento mais saudável no filme do que era no livro?

Sim, mas não acho que foi pela crítica — e sim porque é algo que está em uma tela em 2019, é diferente de como era como palavras no papel, anos atrás. É apenas uma diferente. Eu adoraria estar envolvido no processo de adaptação de um livro a um roteiro, mas isso simplesmente não é meu trabalho. Nós apenas pegamos de onde o script está.

Você acha que o relacionamento retratado no filme é saudável?

É muito, muito longe de um relacionamento perfeito, mas sim. Essa pergunta – essa é uma relação saudável e vale a pena que eles voltem a ficar juntos? – é sobre o que o filme trata e o que o torna interessante. Eu acho que é uma grande questão na vida de todos, em qualquer relacionamento, e este é apenas um exemplo específico. Não é de forma alguma um guia, mas esperamos que seja apenas uma história divertida de um casal que está tentando descobrir se o amor deles vai funcionar – se valer a pena, e se a outra pessoa é certa para eles.

Então você diria que está explorando, não defendendo, o relacionamento?

Sim, você sabe, para fazer uma história divertida, algumas coisas têm que dar errado.

 

Tenho certeza que o fandom é ainda mais intenso online. É por isso que você não está muito no Instagram?

Eu tinha todos esses aplicativos há muito tempo e, em seguida, excluí-los quando percebi que eu estava apenas perdendo meu tempo. Mas eu mantive o Instagram, porque meus agentes me aconselharam, e eu entendo e concordo completamente que é uma ferramenta tão útil e poderosa, mesmo que você possa se perder nela. Eu criei uma conta para acompanhar meus amigos, mas agora que muitos fãs me seguem, é um público um pouco diferente. Explodiu quando eles anunciaram que eu tinha o papel, mas os fãs começaram a suspeitar quando Anna me seguiu, antes disso. Não que eu realmente observe demais – a única vez que sei se eu, tipo, bati uma marca de seguidores é porque um amigo vai me mandar uma mensagem. Eu definitivamente ainda estou fazendo essa transição para usá-lo para divulgação.

Você tem uma conta fake ou privada?

Não. E para ser sincero, apenas não uso muito. No momento, estou me concentrando no trabalho e me certificando de que acertei, e então sinto que, eventualmente, vou me tornar mais ativo no Instagram novamente. O filme ainda não saiu!

Parece que você tem dedicado muito do seu tempo à moda ultimamente também.

Eu definitivamente dedico muito mais tempo para atuar, mas já que leva apenas um ou dois dias para fotografar e publicar as fotos, enquanto que para atuar você faz uma audição, ou muitas, e você pode não ganhar nenhum papel, fiz o material de modelagem porque, obviamente, se eu tiver a oportunidade, vou agarrá-la. Se eu tiver a sorte de tentar, eu vou. E isso meio que anda lado a lado com a atuação. Estava preenchendo o tempo em que, se eu não tivesse nada para fazer, preferiria me manter ocupado e fazer isso também. Mas a atuação sempre foi uma prioridade. Coisas de modelagem são legais – obviamente você começa a viajar e usar roupas legais, tirar fotos legais – mas para mim, atuar é muito mais criativo, então eu sempre coloco em primeiro lugar. E a Storm, a agência de modelos com quem trabalho, apoiou isso desde o primeiro dia.

Qual foi sua primeira impressão da Semana de Moda?

Ah, posso falar palavrão? Foda-se! Eu odeio muito isso. Adoro roupas legais e conhecer novas pessoas, mas é muito agitado. Eu [desfilei na passarela] uma vez e nunca mais. É só ir de casting para casting, e você acaba ficando em uma sala porque eles dizem que você deve chegar entre cinco e seis, e todo mundo chega às 5:55. Não é tão organizado, e eu sou meio que organizado, então eu prefiro atuação.

 

Depois de After, o que vem por aí?

Acabei de descobrir que tenho um papel de apoio em um thriller chamado The Silencing. Não que eu esteja tentando fugir e fazer o papel mais diferente possível, mas é muito diferente do Hardin. Eu sempre evitei deliberadamente a questão de qual tipo de papel ou gênero eu gostaria de seguir, porque não sei o quanto sou bom ou o quanto gosto de interpretar certos papéis até fazer e descobrir.

Há alguém em particular com quem você gostaria de trabalhar?

Eu adoraria ser dirigido pela minha mãe. Nós provavelmente discutiríamos muito [Risos]. Mas acho que seria legal.

Seus pais apoiaram sua carreira na atuação?

Eles sempre foram um equilíbrio perfeito de apoio e realismo. Estando na indústria, são muito conscientes de quão facilmente as coisas podem dar errado, então eu sempre tive um plano B.

Qual era seu plano B?

Havia um monte de coisas. Eu estava em uma empresa de catering de alimentos; Também fazia paisagismo e renovação de propriedades e coisas – obviamente em pequena escala, mas isso me interessou muito. Mas nós colocamos a atuação no banco da frente e, bem, funcionou.